[no meio da tarde]

no meio da tarde
sinto um frio estranho
mãos e pés gelados
e tremo um pouco
coloco as mãos
embaixo das coxas
mas preciso usar
as mãos
sinto frio na nuca
solto o cabelo
mas a franja está
longa demais
sinto frio na ponta
dos pés
mexo os dedos dentro
do sapato
mas o couro está
justo demais
abro um livro para me
distrair e percebo que
gosto quando os últimos
versos de um poema
sobram sozinhos na
página em branco
como se precisássemos
de todo aquele espaço
para nos preparar para
o poema seguinte
como um animal
de sangue frio.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s