natureza-morta

a jaqueta molda
o encosto da cadeira
e indica se está
ou não em casa
e ver o correr dos
dias percebendo
se o encosto está
livre ou coberto
me faz pensar na
sua pergunta
aquele dia, lembra? 
você leu os versos
dizendo que
meu corpo
não é
um rascunho
e daí perguntou:
então qual obra seria?
não respondi na hora
talvez porque meu corpo
assim como a jaqueta
é moldado em
versos antigos mas
daí vi uma pintura
o decalque de
uma natureza-morta
com o título
lembrando Ipanema
e pensei que
se o tempo não existisse se
as fronteiras geográficas
e o que diferencia
um dia do outro
se
nada disso existisse hoje
eu seria essa mistura
de pigmento e líquido
apontando para algo
que eu não sei
se vai acontecer
ou se já passou.

[cheia de armários]

cheia de armários
uma sala cheia
de pequenos armários
e eu abro todos
estou lá pra isso
abrir os armários
o que procuro?
uma jóia entre os
dedos um
elefantinho de
ouro com pedras
coloridas — o que
procuro?

o armário já
não está mais
aberto nem o
elefantinho entre
os meus dedos
um homem sem rosto
era você mas não era você
está em pé na porta e
fala comigo
um colar
agora tenho um
colar na minha mão
você sumiu ou
o homem sumiu
o colar sumiu e
o elefantinho também.

[herdei o jeito arredondado]

herdei o jeito arredondado
das letras
e a vontade de escrever
KISS ME
em caixa alta
no meio da página
com 450g de açúcar
numa calda em
ponto de pasta
com 1 colher de
manteiga que deixei esfriar
e derramei sobre
24 gemas passadas
na peneira fina
depois ao fogo
brando sempre mexendo
até despregar da panela
no dia seguinte
fiz bolinhas e passei
em açúcar peneirado depois
coloquei nas caixinhas
de papel que
enfeitei com um
pedacinho de cereja
um cravo
ou uma folhinha ou
deixei simplesmente
o que acumulou
sob as letras do
seu nome.

[o menino]

para o Joca

o menino levanta
a mão com quatro
dedos em riste
e o dedão escondido
na palma
foi seu aniversário
essa era a novidade
agora são quatro
dedos em riste
e só o dedão
escondido na palma
da mão
o menino não sabe
ainda quanto tempo
dura o tempo
nem o que são
minutos e horas
mas sabe de cor
o nome de espécies
extintas e me explica
as características de
cada animal
quais são carnívoros
ou herbívoros
em brinquedos de
plástico.

[vou fotografar as nuvens]

vou fotografar
as nuvens
achar animais
nas nuvens
um coelho talvez
talvez um touro
quero ver o
touro se transformar
em dragão
com um longo rabo
que se desfaz
se desfez
quero ver um
coração partido
que com o vento
se regenera
e quero ver
a massa densa
se dissipar
se dissipou.

[sempre existirá um poeta]

sempre existirá um poeta
em algum lugar do mundo
escrevendo sobre uma pintura
O’hara procurou sardinhas
em Goldberg
Adília falou dos ajuntagentes
de Rubens
Szymborska já pensava no fim do mundo
contemplando Vermeer
William Carlos Williams explicou a versão de Bruegel
para o mito de Ícaro
eu olho aqui em volta
vejo deserto e teatro
poemas da retina.

 

_______________________

esse poema foi escrito para a leitura que fiz no Adelina Instituto, em 2019, como parte do projeto Perímetros com curadoria de Mario Gioia.

[plantar uma árvore]

plantar uma árvore
não é um
projeto
a curto prazo
a árvore pode
nem crescer
pode não dar
frutos flores
plantar uma árvore
é um tipo de
aposta
de esperança pro
futuro
mas quando
planta uma árvore
você nunca imagina
que não vai crescer
e também não imagina
ver um beija-flor
no crepúsculo.

um corpo em mutação

surgiram penas
por toda parte
meu pai perguntou
de onde saíram
tantas penas
no chão
a grama
forrada delas
tiro uma pena
colada no focinho
do cachorro
tiro uma pena
colada no meu
calcanhar no travesseiro
penas penas penas
um corpo em mutação
vai deixando
seus restos
por aí.

a casa que queria

a casa que queria
já teve uma pitangueira
já teve uma horta
já teve uma composteira
teve a roseira da minha avó
o observatório do meu avô
uma biblioteca
aquela casa que queria tanto
que fosse minha
no papel e tudo
já teve um homem
(um só)
já teve dois dalmatas
uma escrivaninha
banheira clarabóia
e um quarto só pra mim
já teve a gente colhendo manjericão
já teve silêncio
passarinho flores
muitas flores
só faltou imaginar
uma fundação
sólida.